Pesquisar neste blogue

Número total de visualizações de página

sábado, 19 de janeiro de 2013

Dirigente político búlgaro foi alvo de tentativa de assassínio

Dirigente político búlgaro foi alvo de tentativa de assassínio
legenda da imagem
     O líder do partido da minoria turca na Bulgária, Ahmed Dogan, escapou hoje a uma tentativa de assassínio, quando discursava no congresso partidário. Um homem armado de uma pistola de gás e dois punhais subiu ao estrado, apontou-lhe a arma de fogo à cabeça e tentou disparar. O autor do atentado foi depois dominado.

Dogan, de 58 anos, é o dirigente histórico do Movimento para os Direitos e Liberdades (MRF), e tinha anunciado a decisão de se retirar da vida política. Dogan discursava perante o congresso, com as câmaras de filmar focadas na tribuna, quando o agressor subiu ao estrado e, praticamente à queima-roupa, tentou desfechar-lhe a pistola contra a cabeça.

O incidente foi integralmente filmado, bem como o posterior derrubamento e espancamento do autor do atentado. Segundo a polícia, trata-se de um homem de 25 anos, também membro da minoria turca da Bulgária, e residente na ciadade de Bourgas, junto ao Mar Negro.

O MRF participara em dois governos de coligação encabeçados pelo partido dos antigos comunistas búlgaros, mas tem-se encontrado, mais recentemente, na oposição ao governo de direita de Boïko Borissov.

Segundo a Agência France Press, Dogan voltou à sala quatro horas depois do atentado, aparentando boa saúde e boa disposição. Aí reiterou a decisão, já conhecida, de se retirar da política activa, e explicou-a pela "diabolização" que tem havido da sua imagem e que iria agora prejudicar o seu partido, se continuasse a encabeçá-lo nas próximas eleições.

Desta alegada "diabolização" faz parte a tese, mais recentemente surgida na imprensa, segundo a qual Dogan estaria ligado aos serviços secretos do regime comunista, até ao momento em que rompeu com este e passou à oposição, pagando essa viragem com a prisão, em 1985.