Pesquisar neste blogue

Número total de visualizações de página

sábado, 1 de dezembro de 2012

Luzes no céu: Pode ser o Fitsat-1 a querer entrar em contacto!


Se nos próximos dias você vir pontos luminosos piscando no céu noturno, não comemore nem se assuste. Não são discos voadores ou seres alienígenas que chegaram à Terra, mas um interessante experimento japonês que deverá enfeitar um pouco mais nossas noites terrestres.

Fitsat-1 Niwaka
Clique para ampliar
Batizado de Niwaka Fitsat-1, o experimento é um microsatélite desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia de Fukuoka, no Japão e tem como objetivo testar as possibilidades da comunicação óptica com satélites em órbita.
Para isso o Fitsat-1 está cruzando o céu emitindo intensos flashes luminosos, cuja cadência "aceso/apagado" formará palavras em código Morse que transmitirão as informações telemétricas do satélite.
O Fitsat-1 foi idealizado para operar como se fosse uma verdadeira estrela artificial. Uma de suas laterais está repleta de LEDs de alta luminosidade e os flashes produzidos poderão ser vistos durante a noite com auxílio de um pequeno binóculo ou até mesmo a olho nu.

Primeiros Testes
O primeiro experimento foi realizado com sucesso na segunda-feira, 26 de novembro e pode ser observado nas cidades de Kurashiki, no Japão e Daejeon, na Coréia do Sul. De acordo com um dos idealizadores do projeto, o radioamador Takushi Tanaka, no momento do experimento os leds estavam sendo alimentados com baixa potência, em um modo chamado "detecção de luz tênue".


Os microsatélites, também chamados de CubeSats, são satélites de pequenas dimensões desenvolvidos por radioamadores ou universidades com o propósito de realizar experimentos científicos. Normalmente, CubeSats têm cerca de 10 cm de lado e não pesam mais que 1500 gramas.

Orientação Magnética
Os flashes emitidos pelo Fitsat-1 deverão ser vistos de qualquer parte do mundo entre as latitudes +/- 51 graus, mas o destino principal dos fótons será a Universidade de Fukuoka, FIT, que usará um telescópio e um fotomultiplicador montados em um sistema de rastreio que seguirá o satélite. Durante as passagens sobre o campus o experimento será comandado a transmitir flashes com velocidades cada vez maiores, o que permitirá aos cientistas avaliarem a capacidade de comunicação do sistema.

Segundo Tanaka, tanto à estação de terra como os LEDS estarão perfeitamente alinhados quando o satélite passar sobre a estação, o que permitirá pelo menos 3 minutos de experimento por passagem. Para conseguir esse alinhamento, a equipe de Tanaka dotou o Fitsat de potentes ímãs de neodímio de modo a manter o CubeSat sempre apontado para o norte, com a face luminosa para baixo,