Pesquisar neste blogue

Número total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Astrónomos descobrem maior fábrica de estrelas do Universo



Utilizando dados do telescópio espacial Chandra, cientistas estadunidenses encontraram evidências de que um único aglomerado esteja criando cerca de 750 estrelas por ano. Essa é a maior taxa de nascimento de estrelas já observada em um objeto desse tipo e supera de longe a Via Láctea, que forma uma estrela a cada ano.

Aglomerado Phoenix

Batizado de aglomerado Phoenix devido à sua localização dentro da constelação de mesmo nome, o objeto tem chamado a atenção dos especialistas não só pela alta taxa de nascimentos de estrelas, mas também pelas suas propriedades eletromagnéticas, já que Phoenix é o maior gerador de raios-x entre todos os aglomerados conhecidos.
Como outros aglomerados de galáxias, Phoenix também contém um vasto reservatório de hidrogênio aquecido, mas a quantidade é tão grande que supera toda a matéria das outras galáxias do aglomerado juntas.
Normalmente, um gás como o hidrogênio não produz emissão no comprimento de onda dos raios-x, mas isso muda quando comprimido absurdamente pela ação gravitacional. O gás se comprime tanto que aquece, produzindo comprimentos de onda cada vez menores até chegarem aos raios-x. Essa emissão é invisível aos nossos olhos, mas telescópios sensíveis a esse comprimento de onda, como o Chandra, podem detecta-los.
Dentro do aglomerado, esse gás aquecido e resfriado ao longo do tempo faz a matéria da região central fluir em direção ao interior, onde as novas estrelas se formam.
Estas características da galáxia central podem ser vistas na concepção artística mostrada. Nela, o gás aquecido é visto em vermelho enquanto o material resfriado apresenta tons azulados. As faixas, similares a grandes tentáculos, são os fluxos de gás que se movem por milhares de anos-luz enquanto as estrelas recém-nascidas são identificadas na forma de pontinhos azulados.
Um close-up do centro da imagem óptica e ultravioleta vista acima, mostra que a galáxia central tem muito mais tons azuis do que as galáxias próximas do cluster, indicando a presença de inúmeras estrelas quentes e maciças ainda em estágio de formação.