Pesquisar neste blogue

Número total de visualizações de página

domingo, 4 de agosto de 2013

Meteoritos podem estar a caminho da Terra




Cerca de 20 asteróides poderão entrar na atmosfera terrestre, tal como aconteceu com o meteorito que caiu este ano, na Rússia.
A bola de fogo que a 15 de fevereiro cobriu os céus de Tchelyabinsk, na Rússia, poderá repetir-se em breve.
Uma dupla de astrónomos espanhóis da Universidade Complutense de Madrid (UCM) acredita que a Terra está ameaçada por um grupo de cerca de 20 asteróides que poderão ter um impacto tão grande ou maior que aquele que se fez sentir este ano na Rússia, o maior desde Tunguska, em 1908, que se crê ter sido o sítio onde terá caído um pequeno meteorito.
No entanto, apesar da ameaçadora previsão, os espanhóis afirmam que terão de continuar a observar os corpos celestes e a fazer simulações quanto às suas órbitas para encontrar os meteoritos que maior perigo possam causar num cenário de colisão com a Terra. O que pode nem acontecer, dada a dificuldade em prever a reação quando em contacto com o campo gravitacional dos planetas.
No caso do asteróide que caiu na Rússia, não foi possível antever a queda do astro devido à posição do sol. A onda de choque da rocha espacial, cujo tamanho rondava os 18 metros e pesava cerca de 11 mil toneladas, provocou estragos em inúmeros edifícios e feriu cerca de mil pessoas.
Cenário do impacto do meteorito em Tchelyabinsk
As conclusões destes cientistas foram publicadas na revista mensal da ‘Royal Astonomical Society’. O tamanho dos corpos celestes identificados varia entre os 5 e os 200 metros.
Os astrónomos da UCM apontam que estes sejam pequenos fragmentos de um meteoro gigante que se tenha separado algures no tempo nos últimos 40 mil anos.
Apesar de identificar o maior asteróide do grupo, o 2011 EO40, como sendo aquele que maior probabilidade terá de colidir com a Terra, o estudo afirma que seriam precisos dois anos contínuos de observação da sua órbita para fazer uma previsão acertada.
Reveja o vídeo do impacto do meteorito que em fevereiro caiu na região de Tchelyabinsk.



Fonte: Correio da Manhã