Pesquisar neste blogue

Número total de visualizações de página

domingo, 18 de novembro de 2012

Número de estudantes americanos em Portugal aumenta em 2011

Relatório Open Doors 2012


O número de estudantes americanos em Portugal no ano letivo de 2010-2011 aumentou 47 por cento em relação ao ano anterior, subindo de 198 para 291, um valor apresentado no Open Doors 2012, um relatório anual sobre mobilidade académica internacional publicado pelo Institute of International Education (IIE) com o apoio do Bureau of Educational and Cultural Affairs do Departamento de Estado americano.


Número de estudantes americanos em Portugal aumenta em 2011

O aumento de estudantes americanos em Portugal acompanha a tendência de crescimento no número total de americanos que estuda no estrangeiro, que passou de 270.604 para 273.996. O Reino Unido continua a ser o destino de eleição dos estudantes americanos, seguido de Itália, Espanha, França e China. Quase 55 por cento dos estudantes americanos teve a Europa como destino. Houve, no entanto, um crescimento no número de estudantes em destinos considerados como “não tradicionais”, tanto fora da Europa (Brasil, China, Costa Rica, India e Coreia do Sul) como dentro da Europa, com destaque para Portugal, Bulgária, Finlândia, Polónia e Eslovénia.

Estes valores continuam a marcar uma década de crescimento sem precedentes no que respeita ao número de estudantes americanos que recebem créditos académicos pela sua experiência além-fronteiras, sendo que a participação de estudantes americanos em programas de estudo no estrangeiro mais do que triplicou nas últimas duas décadas.

Maria de Lurdes Rodrigues, presidente da Fundação Luso-Americana (FLAD), destaca a importância destes resultados e do trabalho desenvolvido no âmbito da parceria “Study in Portugal”, que visa aumentar o número de estudantes americanos nas universidades portuguesas. “Importa prosseguir firmemente neste caminho. Acreditamos na aposta na internacionalização e na captação de estudantes estrangeiros como uma das soluções para a sustentabilidade futura das universidades portuguesas”, afirma a responsável.